FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS E SEUS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS PARA A HUMANIDADE



Fontes de energia renováveis e seus principais benefícios para a humanidade

Profº Raul Enrique Cuore Cuore

Resumo

A energia irradiada pelo sol se encaixa dentro das alternativas de fontes renováveis. O aumento das populações urbanas e a industrialização exigiram necessidades crescentes de energia. Aprimorar a eficiência dos aparelhos e a das técnicas para a obtenção de energia é o plano mais essencial para a criação de um sistema de energia seguro para o clima. É importante também mudar para combustíveis que poluam menos o meio ambiente, como é o caso da energia solar e eólica, ou ainda a combinação de produção de calor e energia, tudo isto tem um papel importante.

 

Palavras-chave: Energia; Fontes; Meio Ambiente.

1         introdução

A energia está presente em todas as atividades humanas: quando caminhamos, quando utilizamos alguma máquina, seja ela um carro, um computador ou nas indústrias. Atualmente há uma encruzilhada em relação ao problema do setor energético, o qual é absurdamente ineficiente.

Usinas de energia e prédios desperdiçam grande quantidade de calor, carros e caminhões dissipam a maior parte da energia de seu combustível, equipamentos domésticos desperdiçam energia até quando desligados, e também não podemos deixar de citar o problema ambiental, com conseqüências de desequilíbrios ecológicos.

Porém, não é possível entender este vasto tema se não conhecermos um pouco da história que rodeia as fontes de energia. Os conceitos de fontes de energia não-renováveis e renováveis também são importantes, já que o homem estrutura a organização socioeconômica da sociedade centrada nos recursos energéticos e o domínio dos territórios com base nessa detenção e poder, desencadeando conflitos regionais subjacentes a uma geopolítica mundial.

2         Um pouco de historia sobre as fontes de energia

Historicamente, podemos dizer que a Revolução Industrial marca, de forma muito clara, o início de um processo de transformações progressivas que vêm ocorrendo em diversas áreas da humanidade, sobretudo na economia, na sociedade, na tecnologia e no meio ambiente. As causas e conseqüências da mudança global do clima estão fortemente ligadas a estes quatro aspectos.

Com o advento das máquinas a vapor, que marca o começo da Revolução Industrial, representa também o início de um aumento acelerado do consumo de combustíveis fósseis. O carvão mineral tornava-se então o principal combustível das novas máquinas, cuja utilização cresceria de forma vertiginosa ao longo do século XIX.

Posteriormente, a utilização, cada vez maior, de derivados do petróleo como fonte energética para iluminação e em motores de combustão, cujas finalidades foram se diversificando na medida em que o processo de industrialização seguia seu curso, explicam a explosão no consumo de combustíveis fósseis desencadeada pela Revolução Industrial.

Vemos que no passado, o homem preocupava-se com a posse de minerais, de carvão e de borracha. Alguns países chegaram a envolver-se em guerras para poderem controlar a disponibilidade destes produtos.

Hoje as coisas são um pouco diferentes. Atualmente, vemos um “vilão” diferente: o aquecimento global. Com ele surge a preocupação com o uso de combustíveis que causem um menor impacto no meio ambiente.

3         as fontes de energia não-renováveis e renováveis

As fontes de energia podem ser divididas em dois grupos principais: não-renováveis e renováveis.

3.1         as fontes de energia não-renováveis

As fontes de energia não-renováveis se caracterizam por não ser possível repor o que já gastamos. Em algum momento vão acabar e podem ser necessários milhões de anos de evolução semelhante para poder contar novamente com eles. São aqueles cujas reservas são limitadas e estão sendo devastadas com a utilização. As principais são os combustíveis fósseis (petróleo, gás natural e carvão) e a energia nuclear.

3.1.1       Combustíveis fósseis

Os combustíveis fósseis podem ser usados na forma sólida (carvão), líquida (petróleo) ou gasosa (gás natural). Segundo a teoria mais aceita, foram formados por acumulações de seres vivos que viveram há milhões de anos e que foram fossilizados formando carvão ou hidrocarboneto. No caso do carvão se trata de bosques e florestas nas zonas úmidas e, no caso do petróleo e do gás natural de grandes massas de plâncton acumuladas no fundo de bacias marinhas.

Em ambos os casos, a matéria orgânica foi parcialmente decomposta, pela ação da temperatura, pressão e certas bactérias, na ausência de oxigênio. Segundo estudos científicos, o planeta pode fornecer energia para mais 40 anos (se for usado apenas o petróleo) e mais de 200 (se continuar a usar carvão).

3.1.2       Energia nuclear

Na energia nuclear; o núcleo atômico de elementos pesados como o urânio, pode ser desintegrado (fissão nuclear) e liberar energia radiante e cinética. Usinas termonucleares usam essa energia para produzir eletricidade. Uma conseqüência da atividade de produção deste tipo de energia são os resíduos nucleares, que podem levar milhares de anos para perder a sua radioatividade.

3.2         as fontes de energia renováveis

    As fontes de energia renováveis são combustíveis que usam como matéria-prima elementos renováveis para a natureza, como a energia eólica, Biomassa, energia hídrica e energia solar, entre outras.

3.2.1       Energia eólica

A energia eólica é a energia gerada pelo vento. Utilizada há anos sob a forma de moinhos de vento, pode ser canalizada pelas modernas turbinas eólicas ou pelo tradicional cata-vento.

 

Uma restrição no aproveitamento deste tipo de energia é a questão do espaço físico, uma vez que tanto as turbinas quanto os cata-ventos são instalações mecânicas grandes e ocupam áreas extensas. Todavia, seu impacto ambiental é mínimo, tanto em termos de ruído quanto no ecossistema.

3.2.2       Biomassa

Ao falarmos de Biomassa podemos classificá-las de três maneiras: a biomassa sólida, líquida e gasosa.

    A biomassa sólida tem como fonte os produtos e resíduos da agricultura (incluindo substâncias vegetais e animais), os resíduos das florestas e a fração biodegradável dos resíduos industriais e urbanos.

    A biomassa líquida existe em uma série de bicombustíveis líquidos com potencial de utilização, todos com origem nas chamadas "culturas energéticas". Como um exemplo pode-se citar o biodiesel (obtido a partir de óleo de girassol); o etanol (produzido com a fermentação de hidratos de carbono; açúcar, amido, celulose); e o metanol (gerado pela síntese do gás natural).

    Já a biomassa gasosa é encontrada nos efluentes agropecuários provenientes da agroindústria e nos aterros de resíduos sólidos urbanos. Estes resíduos são resultado da degradação biológica anaeróbia da matéria orgânica, e são constituídos por uma mistura de metano e gás carbônico. Esses materiais são submetidos à combustão para a geração de energia.

3.2.3       Energia hídrica

    A energia hídrica é aquela que utiliza a força cinética das águas de um rio e a converte em energia elétrica, com a rotação de uma turbina hidráulica. À exceção das grandes indústrias hidrelétricas, que atendem ao vasto mercado, há também a aplicação da energia hídrica no campo através de pequenas centrais hidrelétricas, baseadas em rios de pequeno porte.

3.2.4       Energia Solar

    A energia solar é aquela energia obtida pela luz do Sol, pode ser captada com painéis solares. A cada ano a radiação solar trazida para a terra leva energia equivalente a vários milhares de vezes a quantidade de energia consumida pela humanidade.

Através de coletores solares, a energia solar pode ser transformada em energia térmica, e usando painéis fotovoltaicos a energia luminosa pode ser convertida em energia elétrica.

    Há dois componentes na radiação solar: radiação direta e radiação difusa. A radiação direta é a que vem diretamente do sol, sem reflexões ou refrações intermediárias. A radiação difusa é emitida pelo céu durante o dia, graças aos muitos fenômenos de reflexão e refração da atmosfera solar, nas nuvens, e os restantes elementos do atmosférico e terrestre. A radiação refletida direta pode ser concentrada e de utilização, embora não seja possível concentrar dispersa a luz que vem de todas as direções. No entanto, tanto a radiação direta quanto a radiação difusa são utilizáveis.

4         Vantagens e desvantagens da energia solar

Segundo (PALZ, 2002): “A energia solar recebida pela terra a cada ano é dez vezes superior a contida em toda a reserva de combustíveis fósseis. Mas, atualmente a maior parte da energia utilizada pela humanidade provém de combustíveis fósseis.”

A Energia Solar apresenta inúmeras vantagens, principalmente em países como o Brasil, onde o Sol é soberano na maioria das regiões o ano todo. Entre os benefícios podemos citar: é uma energia limpa, não polui, não consome combustível, a instalação é simples e sua manutenção mínima, a vida útil dos painéis é comprovadamente de 25 anos, permite a sua auto-suficiência energética.

A Energia Solar é a solução para levar a eletricidade aos locais aonde a rede convencional não chegou ou é fornecida de maneira precária. É cada vez mais utilizada, principalmente no meio rural, para iluminação, TV, telecomunicações, bombeamento de água e eletrificação em geral.

Este tipo de energia também possui algumas desvantagens, entre elas: existe variação da energia produzida, de acordo com a situação climática do local (por exemplo, locais chuvosos), durante a noite não existe produção de energia, fazendo-se necessários meios de armazenamento, que por vez se tornam caros é deficientes comparados com os outros meios de produção de energia. 

5         beneficios da energia renovável para a humanidade

A vida moderna tem sido movida a custa de recursos esgotáveis que levaram milhões de anos para se formar.  O uso desses combustíveis em larga escala tem mudado substancialmente a composição da atmosfera e o balanço térmico do planeta provocando o aquecimento global, de gelo nos pólos, chuvas ácidas e envenenamento da atmosfera e todo meio-ambiente. As previsões dos efeitos decorrentes para um futuro próximo, são catastróficas.

A utilização das energias renováveis em substituição aos combustíveis fósseis é viável e vantajosa. Além de serem praticamente inesgotáveis, as energias renováveis podem apresentar impacto ambiental muito baixo, sem afetar o balanço térmico ou a composição atmosférica do planeta.

O desenvolvimento das tecnologias para o aproveitamento das fontes renováveis poderá beneficiar comunidades rurais e regiões afastadas bem como a produção agrícola através da autonomia energética e conseqüente melhoria global da qualidade de vida dos habitantes.

6         o potencial das energias renováveis e seu crescimento

Muitos ainda vêem a geração de energia por fontes renováveis como uma iniciativa isolada, incapaz de atender à grande demanda de um país continental. A utilização de energias alternativas não pressupõe o abandono imediato dos recursos tradicionais, mas sua capacidade não deve ser subestimada. A Alemanha, por exemplo, provou como o uso das fontes renováveis pode ser útil ao Estado, à população e ao meio-ambiente. O país é responsável por cerca de um terço de toda a energia eólica instalada no mundo, representando metade da potência gerada em toda a Europa.

  Segundo o Conselho Global de Energia Eólica (2008):

“As energias renováveis estão crescendo rapidamente no mundo e no final de 2008 já somavam 280 GW, o que representa um aumento de 16% em comparação com a capacidade instalada em 2007. O crescimento da energia renovável foi acima do esperado e que isso se deve à aprovação de políticas favoráveis às fontes alternativas, como uma forma de tentar reduzir as emissões de gases do efeito estufa, assim como satisfazer a procura crescente por energia, aumentar a segurança energética e estabilizar os custos”

O consumo de energia primária mundial poderá atingir duas a três vezes o consumo atual. Portanto, prevê-se que os  maiores aumentos na procura de energia no futuro sejam dos países em vias de desenvolvimento, devido a um maior crescimento demográfico e crescimento e desenvolvimento econômico.

7         conclusão

A organização da sociedade também evolui e sofre mudanças. Se o recurso energético dominante escasseia, os preços aumentam, é provável que a necessidade leve ao desenvolvimento das energias renováveis, passando a ser dominantes no final do séc. XXI, ainda que na fase de transição, das fósseis para as renováveis, se assista a um aumento da exploração do gás natural, com maiores reservas do que o petróleo e menos poluente do que o carvão.

A emissão de gases poluentes tem provocado, nas últimas décadas, o fenômeno climático conhecido como efeito estufa. Este tem gerado o aquecimento global do planeta. Se este aquecimento continuar nas próximas décadas, poderemos ter mudanças climáticas extremamente prejudiciais para o meio ambiente e para a vida no planeta Terra.

Na luta para identificar-se a “fonte energética perfeita”, ou somente aperfeiçoar as fontes já identificadas, o ser humano vem se demonstrando bastante criativo e empregando os mais diversos meios. As fontes de energias renováveis podem ser a solução para o nosso planeta. O que falta é que todos, desde as grandes indústrias até as mais humildes residências, assumam seu papel neste processo de “reconstrução” do nosso planeta.

8         referências

PALZ, Wolfang. Energia Solar e Fontes Alternativas. São Paulo: Hemus, 2002.

SEMINÁRIO SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O MERCADO DE ENERGIA RENOVÁVEIS, 1., 2008, São Paulo. Brasil: Vento, energia e Investimento. São Paulo. Conselho Global de Energia Eólica, 2008.

 

 

 


Autor: Profº Raul Cuore